Passar para o Conteúdo Principal Top
Câmara Municipal de Montalegre
Hoje
Hoje
Máx C
Mín C
Amanhã
Amanhã
Máx C
Mín C
Depois
Depois
Máx C
Mín C

Montalegre | "25 Abril" (36 anos)

3d43b4c60d1272191060 1 1024 2500
25 abril 2010  1210 100425112536 1 1024 2500
25 abril 2010  7002 100425112536 1 1024 2500
25 abril 2010  7315 100425112536 1 1024 2500
25 abril 2010  82 100425112537 1 1024 2500
25 abril 2010  4653 100425112537 1 1024 2500
25 abril 2010  1488 100425112537 1 1024 2500
25 abril 2010  949 100425112537 1 1024 2500
25 abril 2010  6409 100425112537 1 1024 2500
25 abril 2010  866 100425112538 1 1024 2500
25 abril 2010  5832 100425112538 1 1024 2500
25 abril 2010  7684 100425112538 1 1024 2500
25 abril 2010  6125 100425112538 1 1024 2500
25 abril 2010  9722 100425112538 1 1024 2500
25 abril montal 4832 100425112538 1 1024 2500
25 Abril 2010

Câmara de Montalegre lembrou a "Revolução dos Cravos" com a tradicional sessão solene realizada na Praça do Município. Banda de Parafita e Bombeiros Voluntários de Montalegre, unidos, numa cerimónia presidida pelo vice-presidente, Orlando Alves.

Os 36 anos do 25 de Abril foram lembrados na habitual cerimónia solene que acontece, ano após ano, na Praça do Município de Montalegre. A efeméride foi assinalada com as presenças dos elementos da Banda de Parafita e Bombeiros Voluntários de Montalegre onde foi feito o hastear da bandeira e o cântico do hino nacional, momento alto do encontro. Finda a cerimónia, a Banda de Parafita fez a arruada pela zona histórica da vila de Montalegre.
 
«CUMPRIMOS O NOSSO DEVER!»
 
No final, Orlando Alves, vice-presidente do município de Montalegre, teceu o seguinte comentário: «cumprimos o nosso dever. Não fazia sentido passarmos em branco esta data, esta efeméride, sem fazer nada no nosso seios, no nosso território. Do programa destaco o memorável concerto, no Auditório Municipal, feito pela Banda de Parafita. Neste dia cumprimos aquilo que é quase uma obrigação perante a democracia e perante a República, que é o hastear da bandeira».
 
RESPONSABILIDADE SOCIAL
 
Sobre o facto de estarem presentes poucos populares, o autarca encara este dado desta forma: «esteve, de facto, pouca gente. Esteve o pessoal possível e que ainda sente o espírito do 25 de Abril. Compreendo que esta data diga muito pouco aos jovens que não viveram esse dia memorável. Mas aqueles que tiveram oportunidade, como eu, de vivê-lo, continua a ser o dia mais importante das nossas vidas. Os jovens, hoje, são beneficiários de um passado de muita luta e de muita vontade de vencer. São os herdeiros de todo este conforto que é possível, felizmente, de assistir mas deviam ter uma responsabilidade social, uma maior participação cívica, porque o ser herdeiro de algo obriga a ter algum carinho especial».