Passar para o Conteúdo Principal Top
Câmara Municipal de Montalegre
Hoje
Hoje
Máx C
Mín C
Amanhã
Amanhã
Máx C
Mín C
Depois
Depois
Máx C
Mín C

Montalegre | "25 Abril" (37 anos)

6a3a4bc2561303731405 1 1024 2500
25 abril 2011  1925 110425133534 1 1024 2500
25 abril 2011  456 110425133535 1 1024 2500
25 abril 2011  9933 110425133535 1 1024 2500
25 abril 2011  5264 110425133536 1 1024 2500
25 abril 2011  6669 110425133536 1 1024 2500
25 abril 2011  7496 110425133537 1 1024 2500
25 abril 2011  9615 110425133537 1 1024 2500
25 abril 2011  1227 110425133538 1 1024 2500
25 abril 2011  6525 110425133538 1 1024 2500
25 abril 2011  842 110425133539 1 1024 2500
25 abril 2011  5855 110425133539 1 1024 2500
25 abril 2011  8160 110425133540 1 1024 2500
25 abril 2011  3509 110425133540 1 1024 2500
25 abril 2011  7305 110425133541 1 1024 2500
25 abril 2011  5611 110425133541 1 1024 2500
25 abril 2011  255 110425133542 1 1024 2500
25 abril 2011  8776 110425133543 1 1024 2500
25 abril 2011  7262 110425133543 1 1024 2500
25 abril 2011  4761 110425133544 1 1024 2500
25 abril 2011  809 110425133544 1 1024 2500
25 abril 2011  2813 110425133545 1 1024 2500
25 Abril 2011

A Câmara Municipal de Montalegre voltou a recordar a "Revolução dos Cravos" com a tradicional sessão solene realizada na Praça do Município. Banda de Parafita e Bombeiros Voluntários de Montalegre deram o som e a solenidade desta jornada épica da democracia portuguesa.

Com pouco público presente, a autarquia de Montalegre lembrou os 37 anos do 25 de Abril na habitual cerimónia solene que acontece, ano após ano, na Praça do Município de Montalegre. A efeméride foi assinalada com as presenças da Banda de Parafita e Bombeiros Voluntários de Montalegre.
 
«O CRAVO NÃO MURCHOU!»
 
Em representação do município de Montalegre, estiveram os vereadores Orlando Alves e Fátima Fernandes. Para o vice-presidente da autarquia ainda há comoção na vivência desta jornada comemorativa do 25 de Abril: ««é um dia onde ainda consigo sentir alguma comoção. Dia de saudade, de exaltação da cidadania. Estão aqui pessoas que viveram intensamente este período. Vivemos o 25 Abril com força, com intensidade, com sonho e com esperança». Sem fintar as dificuldades do presente, Orlando Alves sublinhou que os valores da revolução têm que superar qualquer desânimo: «É certo que hoje podemos estar um pouco contristados e que as esperanças de Abril feneceram um bocadinho mas o cravo ainda está vivo. O cravo não murchou!...portanto, os valores de Abril estão na nossa mão e é por isso que aqui estamos nesta forma tão nossa de comemorar Abril».