Passar para o Conteúdo Principal Top
Montalegre
Logótipo de Município de Montalegre
Hoje
Hoje
Máx C
Mín C
Amanhã
Amanhã
Máx C
Mín C
Depois
Depois
Máx C
Mín C

Desativado 1.º ninho de vespa asiática em Montalegre

Montalegre   protecao civil destruiu ninho de vespa asiatica  1  1 1024 2500
Montalegre   protecao civil destruiu ninho de vespa asiatica  5  1 1024 2500
Montalegre   protecao civil destruiu ninho de vespa asiatica  6  1 1024 2500
Montalegre   protecao civil destruiu ninho de vespa asiatica  7  1 1024 2500
Montalegre   protecao civil destruiu ninho de vespa asiatica  8  1 1024 2500
Montalegre   protecao civil destruiu ninho de vespa asiatica  10  1 1024 2500
Montalegre   protecao civil destruiu ninho de vespa asiatica  12  1 1024 2500
Montalegre   protecao civil destruiu ninho de vespa asiatica  13  1 1024 2500
01 Outubro 2018
Montalegre   protecao civil destruiu ninho de vespa asiatica  9  1 1024 2500

O Serviço de Proteção Civil da Câmara de Montalegre, em colaboração com os bombeiros voluntários e um técnico especializado, procedeu à destruição do primeiro ninho de vespa asiática, registado no centro da vila. Porém, no território concelhio já houve mais quatro casos este ano. A estrutura estava pendurada na copa de um pinheiro com vários metros de altura.

O município de Montalegre tem vindo a intensificar as ações de deteção e eliminação da designada vespa velutina. Para o efeito, a autarquia tem diariamente no terreno uma brigada constituída por duas equipas de bombeiros, em Montalegre e Salto, com o apoio de um técnico, devidamente equipados, para procederem à remoção dos ninhos daquela espécie, logo que são identificadas situações dessa natureza. As operações estão a ser realizadas de acordo com o preconizado no Plano de Ação para a Vigilância e Controlo da Vespa Velutina em Portugal com a respetiva comunicação dos casos registados. Na sede do concelho, foi destruído o primeiro ninho mas no concelho já foram registados mais quatro este ano.

«REFLEXO DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS»

David Teixeira, vice-presidente da Câmara de Montalegre e responsável pela proteção civil municipal, explicou que foi «identificado e retirado um ninho de vespa asiática em pleno centro da vila». Com uma resposta eficaz para estas situações, o número de ninhos destruídos já ultrapassa a meia centena mas «há a distinção da espécie da vespa europeia, e nestes casos são apenas destruídos os casulos em área urbana». No caso da vespa velutina ou asiática, até ao momento foram reportados «quatro casos no concelho e agora este na vila de Montalegre». O autarca esclareceu que «a população está atenta e comunica ao município ou aos bombeiros sempre que identificam uma situação estranha» e, posteriormente, são analisados e «é chamado o veterinário municipal ou os elementos das equipas que já têm o traquejo para e retirada e respetivo registo na plataforma criada pelo governo para o efeito».

A VESPA VELUTINA

A Vespa velutina nigrithorax, adiante designada apenas por vespa velutina, é uma espécie não-indígena, predadora da abelha europeia (Apis mellifera), encontrando-se, por enquanto, aparentemente circunscrita a concelhos do norte do país. Esta vespa asiática, proveniente de regiões tropicais e subtropicais do norte da India, do leste da China, da Indochina e do arquipélago da Indonésia, ocorre nas zonas montanhosas e mais frescas da sua área de distribuição. A sua introdução involuntária na Europa ocorreu em 2004, em território francês, tendo a sua presença sido confirmada em Espanha em 2010, em Portugal e Bélgica em 2011 e em Itália em finais de 2012.
Na época da Primavera, constroem ninhos de grandes dimensões, preferencialmente em pontos altos e isolados. Esta espécie distingue-se da espécie europeia Vespa crabro pela coloração do abdómen (mais escuro na vespa asiática) e das patas (cor amarela na vespa asiática).
Os principais efeitos da presença desta espécie não indígena manifestam-se em várias vertentes, sendo de realçar:
Apicultura - por se tratar de uma espécie carnívora e predadora das abelhas;
Saúde pública – não sendo mais agressivas que a espécie europeia, no caso de sentirem os ninhos ameaçados reagem de modo bastante agressivo, incluindo perseguições até algumas centenas de metros.