Passar para o Conteúdo Principal Top
Montalegre
Logótipo de Município de Montalegre
Hoje
Hoje
Máx C
Mín C
Amanhã
Amanhã
Máx C
Mín C
Depois
Depois
Máx C
Mín C

Município distinguido pela Associação Vale d’Ouro

Sem titulo 1 1024 2500
45590129 746846762346484 2565991660823511040 n 1 1024 2500
45562619 1191921114279397 7543165587820642304 o 1 1024 2500
Foto03 1 1024 2500
03 Novembro 2018
45437923 1191931677611674 1404330683748319232 o 1 1024 2500

O município de Montalegre recebeu, na gala comemorativa do décimo aniversário da Associação Vale d’Ouro - feita no Teatro Auditório Municipal de Alijó - a distinção Sócio Vale d’Ouro Ruby. O galardão é «atribuído a sócios particulares ou coletivos da Associação Vale d’Ouro e/ou entidades particulares ou coletivas da sociedade civil que tenham prestado relevante contributo para a instituição e/ou para a concretização da missão, objetivos ou estratégia da Associação Vale d’Ouro no âmbito da realização das suas atividades». Em representação da autarquia, esteve o vice-presidente David Teixeira.

O Teatro Auditório Municipal de Alijó foi pequeno para acolher o entusiasmo gerado em torno da 10.ª gala comemorativa da Associação Vale d’Ouro. O evento foi aproveitado para, além de partilhar as comemorações do seu décimo aniversário com a região, contar a história de uma instituição que nasceu em 2008 na vila do Pinhão e hoje tem atividade em diversos concelhos do distrito de Vila Real e da região do Douro, entre eles, naturalmente, o concelho de Montalegre.

TEM A PALAVRA

David Teixeira | Vice-presidente da Câmara de Montalegre
«O trabalho em Montalegre é difícil. Somos a terra da neve. É em Montalegre que os professores revelam uma ótima prestação, com um profissionalismo extremo. As galas realizas em Montalegre mostram o muito trabalho que é realizado. A segunda nota que gostaria de dar, é o facto deste trabalho criar redes, criar parcerias...tão difícil em Portugal, onde há tantas "capelinhas". Por fim, um pedido aos deputados da nação: quando regressarem à "capital do reino", digam lá que nós temos muito gosto em sermos reconhecidos pela paisagem, mas, também, temos direito a sermos reconhecidos pela paisagem cultural, pela identidade que mantemos e que em Lisboa já não existe».